NOTÍCIAS

SINDIFISCAL/MS

14/04/2020

Coronavírus reduziu faturamento de mais de 86% das empresas do Estado

Paralisação das atividades foi em média de 17 dias e trouxe muitos prejuízos para empresários na Capital e interior

A pandemia do coronavírus reduziu o faturamento de pelo menos 86,2% das empresas no Estado nos últimos 17 dias. É o que mostra um levantamento do Sebrae Nacional com recortes para o Estado. A pesquisa que ouviu 87 empresários sul-mato-grossenses e apontou que o setor luta para evitar a demissão, parou por causa dos decretos do Governo e prefeituras e deve precisar urgentemente de crédito para cumprir os compromissos.

No questionamento sobre como o negócio está sendo afetado, até este momento, pelo covid-19 cerca de 1,15% das empresas disseram que aumentou; 86,21% que reduziu o lucro, 5,75% não sabe ainda/não quis responder.

Outra questão foi a mudança na forma de trabalhar das empresas. Neste item 48,3% dos entrevistados disseram ao Sebrae que interromperam as atividades: 38,4% mudaram de atividade; 7,6% não mudaram perfil de atendimento e 5,49% fecharam as portas.

A redução no horário de funcionamento foi a saída para 54,5% dos empresários, sendo que 27,2% sobreviveram graças ao delivery de produtos. Já o teletrabalho foi adotado por 24,2% dos estabelecimentos, e o drive thru por 3,03%.

A determinação  do Governo levou 70,4% das empresas a paralisarem as atividades e somente 29,5% fizeram pro conta própria. A média de tempo parado ficou em 17,2 dias no Estado.

Organização- De acordo com o analista técnico do Sebrae-MS Vagner Teixeira o momento agora é de calma e organização. “Nossa orientação é a mesma de um mês atrás. É preciso organizar a empresa organizar, o momento. Lembrar ainda que é um processo mundial, nacional e não apenas local”, sinalizou.

Ele ressalta que os empresários devem estar atentos as finanças. “Este é o momento de procurar a sanidade de cadastro no banco, tentar manter os pagamentos e fugir da inadimplência, Se preciso busque meio de prorrogar dívidas”, recomendou. Mas vale lembrar que os bancos devem demandar mais garantias neste período de crise”, alertou.

CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

MAIS

NOTÍCIAS

SINDIFISCAL/MS