NOTÍCIAS

SINDIFISCAL/MS

18/03/2019

PDT decide que votará contra a reforma da Previdência

O governo do presidente Jair Bolsonaro esperava conseguir apoio de alguns deputados do PDT, que, apesar de ser da oposição, defendeu a necessidade de uma reforma da Previdência durante a campanha eleitoral.

Derrotado na disputa à presidência da República, Ciro Gomes propôs mudanças nas regras para aposentadorias e pensões como forma de ajustar as contas públicas.

Na campanha, que disputou contra Bolsonaro, ele também declarou ser a favor da troca de regime previdenciário, criando um sistema de capitalização, no qual cada trabalhador faz a própria poupança para bancar a aposentadoria.

Essa substituição está na proposta do governo, que foi enviada ao Congresso em fevereiro.

Ciro não esteve na reunião desta segunda-feira (18), em Brasília, mas enviou um vídeo aos correligionários.

“É um momento também de ir preparando a tática, ou ir ajustando a tática, para os primeiros enfrentamentos práticos, objetivos como, por exemplo, ajudar o nosso povo a entender as perversidades tremendas que estão entranhadas nas 66 páginas da reforma da Previdência proposta pelo presidente Jair Bolsonaro.”

No vídeo, ele também criticou o governo e disse que o país passa por um momento difícil que, na avaliação de Ciro, tende a se agravar.

De acordo com a decisão do partido, os deputados e senadores que votarem a favor da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da reforma da Previdência poderão ser punidos por descumprirem a ordem da legenda.

O PDT tem 28 deputados e quatro senadores.

Interlocutores de Bolsonaro no Congresso acreditavam que o PT tomaria uma decisão contrária à PEC, mas esperavam uma abertura para dialogar com o PDT.

O deputado Mauro Benevides Filho (PDT-CE) já foi citado como um dos cotados para presidir a comissão especial que irá analisar a PEC da reforma da Previdência.

Folha Online

 

MAIS

NOTÍCIAS

SINDIFISCAL/MS