NOTÍCIAS

SINDIFISCAL/MS

16/11/2017

Queda no PIB de 2015 atinge todas as unidades da federação pela 1ª vez desde 2002

O volume do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015 registrou queda em todas as unidades da federação, segundo o recorte divulgado nesta quinta-feira (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A queda generalizada é a primeira desde quando a série histórica foi criada, em 2002. Considerando todas as regiões, a queda do PIB foi de 3,5%.

Tiveram as maiores baixas as economias do Amapá (-5,5%), do Amazonas (-5,4%) e do Rio Grande do Sul (-4,6%). Já Mato Grosso do Sul (-0,3%), Roraima (-0,3%) e Tocantins (-0,4%) tiveram as quedas mais suaves em 2015. “Boa parte deste resultado da economia sul-mato-grossense deve-se ao desempenho positivo da agropecuária (10,1%).”

De acordo com o IBGE, o Rio de Janeiro, segunda unidade da Federação com maior participação no PIB brasileiro, foi o estado que registrou a maior perda relativa na comparação com o ano anterior. A variação em volume do PIB foi de -2,8% – uma queda de 0,6 ponto percentual.

Os cinco estados com maior participação no PIB do país em 2015 foram São Paulo (32,4%), Rio de Janeiro (11,0%), Minas Gerais (8,7%), Rio Grande do Sul (6,4%) e Paraná (6,3%).

São Paulo, que permanece respondendo pela maior parte da composição do PIB brasileiro, teve queda de 4,1% no volume. A indústria paulista recuou 7,3% em termos de volume em 2015. Esta queda foi puxada pela indústria de transformação, que recuou 10% em relação ao ano anterior. Já agropecuária em São Paulo cresceu 8,4% em volume 8,4%, puxada sobretudo pela agricultura.

PIB per capita

Distrito Federal segue com o maior PIB per capita do país, com o valor de R$ 73.971,05, cerca de 2,5 vezes maior que o PIB per capita do Brasil. Na sequência, estão São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná. O Mato Grosso foi o estado que mais avançou sua posição na série, passando de 11º em 2002 para 7º em 2015. Por outro lado, Maranhão (27º) e Piauí (26º) foram os menores neste aspecto em 2015.

Apesar de o PIB per capita do Piauí ser um dos menores, o estado registrou o maior crescimento entre todos as unidades da federação, aumentando cerca de 5 vezes entre 2002 e 2015 (de R$ 2.440,70 para R$ 12.218,51).

Fonte: G1

MAIS

NOTÍCIAS

SINDIFISCAL/MS