NOTÍCIAS

SINDIFISCAL/MS

30/01/2019

Rombo previdenciário sobe para R$ 290,2 bilhões em 2018 e bate recorde

O governo informou que o déficit somado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), sistema público que atende aos trabalhadores do setor privado, e dos Regimes Próprios dos Servidores Públicos (RPPS) da União, além do sistema dos militares, atingiu R$ 290,297 bilhões em 2018.

Segundo números do Ministério da Economia, o rombo é cerca de 8% maior que o registrado em 2017, quando somou R$ R$ 268,79 bilhões. A piora foi de R$ 21,5 bilhões. O valor do rombo, no ano passado, foi o maior da série histórica.

No INSS, sistema que atende aos trabalhadores do setor privado, o rombo subiu de R$ 182,45 bilhões, em 2017, para R$ 195,197 bilhões no ano passado, um crescimento de 7%, ou de R$ 12,747 bilhões.

No caso dos regimes próprios dos servidores civis, o rombo subiu de R$ 45,25 bilhões, em 2017, para R$ 46,4 bilhões no ano passado.

O rombo do regime dos servidores militares, por sua vez, avançou de R$ 37,68 bilhões, no ano retrasado, para R$ 43,9 bilhões em 2018.

O rombo do Fundo Constitucional do DF (FCDF) avançou de R$ 3,42 bilhões, em 2017, para R$ 4,8 bilhões em 2018.

O déficit da Previdência Social é o principal fator, na avaliação do governo, que tem gerado rombos bilionários sucessivos nas suas contas. No ano passado, o déficit primário (despesas maiores do que receitas, sem contar juros da dívida) foi de R$ 120 bilhões. Foi o quinto ano seguido de déficit primário.

De acordo com o governo, para que as contas voltem ao azul e a dívida bruta pare de crescer, será necessário aprovar uma reforma da Previdência. O governo Michel Temer chegou a encaminhar uma proposta, mas não houve apoio no Congresso.

A reforma da Previdência é prioridade da equipe econômica do governo Jair Bolsonaro, que pretende encaminhar uma proposta ao Legislativo nas próximas semanas.

“A reforma da Previdência é essencial. Há diversas reformas da previdência. Como vai ser a regra de transição, idade mínima, como vai afetar diversas categorias. Há espaço para um bom debate politico sobre o que será a reforma da previdência”, declarou o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida.

De acordo com ele, a necessidade de reformar a Previdência “está muito clara”.

“Se não houver reforma da previdência, situação vai se agravar e não haverá ajuste fiscal. Isso não só no governo federal, mas também nos estados. Brasil está passando por um processo de envelhecimento muito rápido. Se o Brasil não fizer uma reforma da previdência, será impossível um ajuste fiscal no Brasil”, concluiu Mansueto Almeida.

O secretário do Tesouro avaliou ainda que o processo da reforma da Previdência está sendo muito bem conduzido pelo governo.

“A equipe técnica é a mesma do governo anterior, acrescida de técnicos novos. Novo secretário de previdência é o Leonardo Rolim, que estava na Câmara. Trabalha na área há muito tempo, e nos ajudava. Tem um secretário [especial] de Previdência, o Rogério Marinho, que é um político muito habilidoso”, concluiu.

G1.

MAIS

NOTÍCIAS

SINDIFISCAL/MS