NOTÍCIAS

SINDIFISCAL/MS

28/04/2020

Uruguai e Argentina cortam despesas políticas para financiar sistema de saúde; Paraguai anuncia reforma do Estado

Governos da América do Sul estão adotando medidas de ajuste e realocação orçamentária para enfrentar as necessidades financeiras de seus sistemas de saúde

RIO — Enquanto a pandemia avança e  o número de contagiados e de vítimas fatais cresce, alguns governos da América do Sul estão adotando medidas de ajuste e realocação orçamentária para enfrentar as necessidades financeiras de seus sistemas de saúde. O Uruguai reduzirá em 20% o salário de altos funcionários e aposentadorias mais privilegiadas; o Paraguai começará a discutir uma profunda reforma do Estado que poderia levar a demissões em massa, e na Argentina,  o presidente da Câmara, Sergio Massa, anunciou que vai transferir fundos destinados ao funcionamento da Casa e os chamados “recursos especiais reservados” dos deputados ao Ministério da Saúde e a organismos que estão atuando no combate ao coronavírus.

Compartilhe por WhatsApp:clique aqui e acesse um guia completo sobre  o coronavírus

O presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, empossado em 1 de março, comunicou a criação do chamado “Fundo Coronavírus”, com recursos de salários de servidores e pessoas com cargos políticos.

— Não vamos reduzir o salário de funcionários públicos e políticos para economizar, e sim para gastar. Isso é solidariedade pura para as pessoas. Precisamos gastar — declarou Lacalle Pou.

Seu salário também será reduzido em 20% para contribuir com o novo fundo.

— Este é o momento de todos fazermos um esforço — frisou o chefe de Estado uruguaio.

Entrevista:‘Até Trump entendeu que não se pode mentir o tempo todo’, diz professora de Harvard

A medida está prevista num projeto de lei que será enviado esta semana ao Parlamento do país. A aliança de governo, formada por cinco partidos, tem votos suficientes para aprová-la. De qualquer forma, o respaldo obtido por Lacalle Pou foi expressivo e deve facilitar o rápido tratamento do projeto.

Paralelamente, a Câmara do Uruguai já aprovou a eliminação dos chamados “fundos de imprensa”, em torno de US$ 800 (R$ 4.131) por deputado, previsto para a compra de jornais e revistas no Parlamento. O Uruguai confirmou esta semana a primeira morte no país por Covid-19.

Em Assunção, o governo do presidente Mario Abdo Benítez começou a discutir uma ampla reforma do Estado. Segundo informaram altas autoridades do país, o governo quer “melhorar a qualidade do gasto público”.

— O dinheiro público deve ser mais bem investido — pregou o vice-presidente Hugo Velázquez.

Na Argentina, país que tem sido elogiado por especialistas pela rapidez em adotar medidas drásticas de combate à pandemia, a Câmara, que está funcionando com reuniões e debates virtuais há mais de duas semanas, redistribuiu despesas.

— Retiramos dos deputados as chamadas “despesas especiais” e usamos os recursos destinados ao funcionamento da Câmara, as despesas logísticas, e tomamos a decisão de que todos esses recursos sejam enviados ao sistema de saúde — explicou ao GLOBO o presidente da Câmara argentina, muito próximo de seu colega brasileiro, Rodrigo Maia, com quem tem se comunicado nos últimos dias.

Para Massa, “numa emergência não podem existir despesas especiais da política”.

Fonte: O Globo

MAIS

NOTÍCIAS

SINDIFISCAL/MS