NOTÍCIAS

SINDIFISCAL/MS

13/10/2021

Articulação com Bancada da Bala fortalece oposição à PEC 32, diz deputado

Articulação com Bancada da Bala fortalece oposição à PEC 32, diz deputado

Em entrevista, Professor Israel Batista fala sobre união de servidores e atuação como congressista gay

Presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Serviço Público, o deputado Professor Israel Batista (PV-DF) considera que a articulação entre o grupo e chamada Bancada da Bala na Câmara foi um passo importante na oposição à PEC (proposta de emenda à Constituição) 32/2020, da reforma administrativa. Segundo o congressista, um dos objetivos dos deputados contrários ao projeto é evitar uma ruptura entre as categorias do serviço público. “Na semana passada, o deputado Capitão Augusto (PL-SP), presidente da Frente de Segurança Pública, apareceu em um café da manhã e, na frente das câmeras, apertou a nossa mão”, disse. A proposta ainda precisa passar por votação no plenário da Câmara. As declarações foram feitas em entrevista publicada neste domingo pelo jornal Correio Braziliense. Para Professor Israel, o trabalho da frente que preside focou em aliar os servidores que pertencem às carreiras típicas de Estado, como promotores e auditores fiscais, e os integrantes da segurança pública com o restante do funcionalismo público.

Vista pelo deputado como uma “ruptura”, a possibilidade de divergências entre os servidores sobre a PEC poderia enfraquecer a oposição ao projeto. “Teríamos uma elite do serviço público abandonando o servidor público mais numeroso”, afirmou. “Se a Segurança soltasse a mão dos servidores comuns, a chance de a PEC passar seria muito maior. Então nós atraímos parlamentares da Segurança para a Frente Servir Brasil, criamos interlocução com a bancada da bala. E conseguimos trazer associações — PF, Polícia Civil — para dentro do Conselho Curador da Servir Brasil. Funcionou”.

Opositor do presidente Jair Bolsonaro, o deputado declarou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é a pessoa mais capaz de derrotar o projeto que ele vê como de deterioração das instituições e do regime democrático. “Qualquer governo que vier terá o desafio de reconstruir muita coisa e de manter diálogo com outros partidos”. O congressista também falou publicamente pela 1ª vez sobre o fato de ser homossexual, e o impacto da sua orientação sexual no exercício do mandato. “Tem de se comportar de maneira muito institucional. Porque as piadas, o desdém, a ironia, a ameaça, tudo isso é muito constante, especialmente em certos grupos políticos. É claro que, em resposta a isso, tenho outros tantos parlamentares que, no primeiro sinal de agressão, de ataque a mim, se levantariam com muita força contra isso”. Professor Israel considerou importante o festo do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, (PSDB) que falou publicamente de sua homossexualidade durante entrevista no começo de junho. O gaúcho é o único homem assumidamente gay a comandar um Estado atualmente.

“Ele é um governador. Eu tinha tido algumas reuniões antes [do anúncio sobre a orientação sexual dele], e já era algo que não era segredo no círculo dele. Depois disso, pensei um pouco sobre o que a gente precisa ter em mente agora. Há um momento político no Brasil em que a neutralidade pode parecer conivência. Esse é um momento de combate. Esse é um momento de ser combativo, de dizer que nós não aceitamos que este país seja dominado pela barbárie”, afirmou o deputado….

Fonte: Poder 360

MAIS

NOTÍCIAS

SINDIFISCAL/MS